sábado, 21 de dezembro de 2013

Sonho meu

Hoje, na Liberdade, eu e minha amiga Lu paramos para ouvir um senhor que tocava violino numa esquina. Ele tocou, atendendo ao meu pedido, o último trecho da 9a Sinfonia de Beethoven, que sempre me leva às lágrimas. Quando acompanhada do coro, essa parte é mais conhecida como "Ode à alegria", devido ao poema musicado de Schiller. Me emocionei com a música, claro, e também com a simpatia do seu Sérgio, o violinista. No final, quando nos despedimos, ele deu a cada uma um "provérbio" num papelzinho dobrado. O meu dizia isto: "Tudo cede à continuidade de um desejo enérgico: todo sonho acaba por encontrar a sua forma".
Nos últimos meses, eu tenho ficado tonta com tantas respostas que o Universo dá. Nesse caso, parece um diálogo com a frase do Eugenio Mussak que comentei aqui, de como o imaginar é o primeiro passo para a realização. No caso do provérbio do seu Sérgio, o sonho que toma forma é produto de um desejar contínuo e forte. E o que é esse desejar profundo e criador senão se pôr em movimento? Certamente não se trata de transformar o sonho numa quimera inalcançável, mas de tê-lo diante dos olhos e caminhar firme e suavemente na sua direção.
Depois de eu ter voltado a indagar da minha alma quais são os meus sonhos, de ter imaginado o que fazer para realizá-los, depois de me lançar a uma nova aventura cuja única garantia é a confiança que tenho em mim mesma, na minha humildade em recomeçar sempre, vejo as respostas imediatas da Vida/Universo/Deus, o que quiserem. Ainda temerosa de uma súbita claridade solar, decidi viajar para um lugar sempre sonhado. Depois de ter visitado 12 apartamentos, de chegar à beira da exaustão emocional, de duvidar por momentos da minha capacidade de carregar a própria vida, de sofrer com uma nostalgia do vivido no lugar onde moro há tantos anos, encontrei um outro lugar, luminoso, numa rua bonita, perto de uma área verde, e então os papéis correram com agilidade, ouvi do atual locador uma espécie de bênção quando falei da mudança ("tudo certo, querida, fique tranquila"), oportunidades de trabalho começaram a pipocar. Isso para não falar de alguns amigos maravilhosos que me ouviram (todos eles), que aconselharam (todos eles), que me acompanharam a alguns lugares (como a Lu hoje, na busca pelos chás e pelo bule na Liberdade, mas também Wagner, Marisa, Marcelo, Cláudia, Eliane, Karen etc.), que me escreveram textos lindos (Simone), que me ligaram de longe (Carlos), que algumas vezes "só" me deram um abraço apertado (todos eles, longe ou perto).
O que estava represado voltou a correr, a força das águas rompeu os diques da estagnação. A vida respondendo ao meu movimento. Se tivesse me paralisado pelo medo, só teria as mesmas paisagens cinzentas e desesperançadas. Agora tenho um mar de possibilidades à minha frente, um oceano inteiro a navegar pelo sonho que é meu. Pessoal e intransferível, feliz só por "ser" sonho, e passível, portanto, de realização.

2 comentários:

  1. Teremos um ano lindo, o primeiro em que estaremos fisicamente mais perto!
    Que estejamos mesmo a um passo de uma vida nova!
    E que o Natal, Sol, seu e dos seus, aconteça na energia do novo alvissareiro, tão aguardado, tão reivindicado.
    Beijos mil,
    Marisa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Má, obrigada! Que assim seja! :D
      beijos, e até logo!

      Excluir

Cabeceira

  • "Arte moderna", de Giulio Carlo Argan
  • "Geografia da fome", de Josué de Castro
  • "A metamorfose", de Franz Kafka
  • "Cem anos de solidão", de Gabriel García Márquez
  • "Orfeu extático na metrópole", de Nicolau Sevcenko
  • "Fica comigo esta noite", de Inês Pedrosa
  • "Felicidade clandestina", de Clarice Lispector
  • "O estrangeiro", de Albert Camus
  • "Campo geral", de João Guimarães Rosa
  • "Por quem os sinos dobram", de Ernest Hemingway
  • "Sagarana", de João Guimarães Rosa
  • "A paixão segundo G.H.", de Clarice Lispector
  • "A outra volta do parafuso", de Henry James
  • "O processo", de Franz Kafka
  • "Esperando Godot", de Samuel Beckett
  • "A sagração da primavera", de Alejo Carpentier
  • "Amphytrion", de Ignácio Padilla

Arquivo do blog